Posts from the ‘Poesia’ Category

Quanto mais simplicidade, melhor o nascer do dia!

É essa simplicidade que eu quero pra mim!

Simplicidade – Pato Fu

Vai diminuindo a cidade
Vai aumentando a simpatia
Quanto menor a casinha
Mais sincero o bom dia

Mais mole a cama em que durmo
Mais duro o chão que eu piso
Tem água limpa na pia
Tem dente a mais no sorriso

Busquei felicidade
Encontrei foi Maria
Ela, pinga e farinha
E eu sentindo alegria

Café tá quente no fogo
Barriga não tá vazia
Quanto mais simplicidade
Melhor o nascer do dia

 

.


Toda cura pra todo mal…

 

Raquel

Anúncios

Poemas de madrecita

Minha mãezinha agora tem um espaço aqui. Lindamente poética e doce, me deixa cheia de orgulho.


RARA PAZ

Canto sereno do roçar os troncos,
Bambuzal em harmonia com minha essência;
Pacatos laguinhos em diversos pontos,
Momentos de purificação, sem eloqüência.

É onde encontro a paz sempre buscada,
Meditando, contemplando a natureza.
Ainda que a realidade não seja a sonhada,
Aflora o saber ante a singeleza.

Folhas tremulando ao vento,
Pássaros a cantar libertos,
Lugar onde careço assento.

O mundo a esquecer-se do eu,
Relega os sublimes concertos
Desses mini universos em apogeu.

Zandra Reis


Raquel

Contemplar o céu faz bem

Pela primeira vez assumo minha identidade externa nesse blog, já que muito daqui de dentro já está por aqui. A contemplar um céu doce de uma manhã refrescante, deitada na grama cheirosa, e sensibilizada com tanta beleza e surpresas ocultas da nossa mãe natureza.

O céu em uma noite qualquer

Deitada na grama alta, pernas cruzadas e olhos ao céu. As estrelas cantam pra mim e o brilho delas está direcionado a minha direção.  Sinto-me em foco, num palco, sendo homenageada por uma platéia de desconhecidos interessantes e cheios de sorrisos meigos. Noite fresca e fria de semblante materno, me conforta, me envaidece, me acolhe. Contemplo o luar, que aparece depois que uma nuvem o escondia. Meus sentidos hesitados se fazem presentes constantes em todos aqueles momentos de apogeu. Imperfeita e incoerente e torta que sou, me endireito em harmonia com o todo, cheia de prazer e serenidade. As estrelas continuam sem descanso a sussurrar palavras doces sem pretexto, do jeitinho que eu gosto. Parece mesmo que aquele céu de singeleza me conhece melhor que qualquer um. Nada mais poderia me acontecer diante de tanta beleza e carinho a não ser chorar um pouquinho. Inspirada, emocionada, preenchida de simplicidades açucaradas e deliciosas, não sinto forças suficientes pra levantar-me dali, mesmo com um frio dolorido em meus ossos. Noite fria que me aquece, me incendeia, me humaniza, me faz sentir parte da natureza, assim mesmo como deve ser.  A lua me olha lindamente, mesmo sem estar cheia, aparece toda pequenina e forte. Queria ser lua por um tempo, e contemplar um pouco a Terra sob os olhos dela também. Adormeço sem querer, e nos meus sonhos o desejo de ser céu acontece, e vejo daqui de cima uma moça de cabelos negros compridos esparramados pelo chão de grama seca. Menina toda incompleta, inconstante, errada e intensa, mas cheia de harmonia interna, simples que só ela, com desejos sinceros de ser céu um dia.

Raquel

Como eu amo você

Mas que puxa, que poema lindo da série Charlie Brown. Para os que ainda acreditam no amor, e aos eternos apaixonados:

Como eu amo você

“Deixa eu contar as formas:
Eu te amo do fundo da profundidade da altura que minha alma pode alcançar,
Como me sinto longe de ser a pessoa ideal…
Eu amo você ao nivel das necessidades diárias
Ao sol e luz da vela.
Eu te amo livremente como o homem gosta de ser
Eu te amo puramente como eles amam os deuses
Eu te amo com paixão como nunca amei ninguém
E com minha fé infantil
Eu te amo com amor que nunca achei ser possível
Eu te amo com a respiração, sorrisos, lágrimas de toda minha vida.
E se Deus quiser, vou te amar mais ainda depois da morte.”

Raquel

Essa beleza musical

Algumas músicas entranham de uma forma estranha na gente, e foi a partir desse sentimento que surgiu esse texto. Queria colocar uma de minhas músicas nesse post, mas acho que cada um tem a sua música, aquela que lhe provoca os sentimentos únicos. Peço para que você, antes de ler qualquer coisa, ouça a canção que lhe faz flutuar. Só assim você irá compreender os meus devaneios musicais.

Ao som de algumas músicas meu sangue incita vibrações de uma ternura infinita. Inspiro um ar de compaixão e as ondas da sintonia caminham até meu corpo e eriçam todos os meus pelos. A minha carne se desfalece a partir do arrepio profundo, enraizado em cada nota musical.  Sinto-me fora de eixo, e uma loucura instantânea prevalece em mim. Cada palavra verbalizada em canto dilata minha pupila e deixam meus olhos ausentes no presente. Sou levada por aquelas ondas a cena da canção. Cada pedaço, cor e luz daquele lugar têm um pouco de mim. Sou parte da música e sem perceber sopro alguns acordes puros e singelos. Estou cercada por bolhas semelhantes às de sabão, que são na verdade a materialização dos sentimentos que sinto. Amor, ternura, carinho, paz em cada bolha percorrendo o céu sem pressa e predominando sobre cada espaço. Elas se misturam com todas as notas musicais, e simulam uma orquestra perfeitamente afinada e bela. Toco uma nuvem e volto ao meu estado anterior, sentada em uma poltrona no meu quarto, com as cortinas semi-abertas, um primoroso som musical ao fundo e a face voltada a algumas bolhas de sabão que vejo lá fora.

Raquel

Ser e amar

.

.

Acho que nunca amei de verdade, mas depois de tudo que eu sonhei, vivi, senti…, entendi que o que eu mais quero é que  tudo ocorra devagarzinho, com desprendimento, para que cada passo ocorra na hora certa e no meu tempo certo. Não quero me corroer em anseios exacerbados ou carências desmedidas, quero apenas me entorpecer de simplicidade e ternura.

Deixo um trecho do livro “A Insustentável Leveza do Ser” de Milan Kundera:

.

“É um amor desinteressado. (…) Nem mesmo amor ela exige. Nunca precisou fazer as perguntas que atormentam os casais humanos: será que ele me ama? Será que gosta mais de mim do que eu dele? Terá gostado de alguém mais do que de mim? Todas essas perguntas que interrogam o amor, o avaliam, o investigam, o examinam, será que não ameaçam destruí-lo no próprio embrião? Se somos incapazes de amar, talvez seja porque desejamos ser amados, quer dizer, queremos alguma coisa do outro (o amor), em vez de chegar a ele sem reivindicações, desejando apenas sua simples presença.”

.

Raquel

Sweet Dreams

Fantasias, sonhos e saudades são peças importantes do meu corpo, da minha alma. Vivem aqui dentro e me levam a diversos lugares deslumbrantes, dos quais não abro mão. Paisagens repletas de um colorido vivo e brilhante, reluzente no meu olhar. Lugares onde a felicidade é sincera e o amor é verdadeiro. Tudo parece mais bonito e perfeito, com tonalidades, sons, pessoas, sentimentos e cheiros mais vivos do que os da realidade.


Trecho de O Mágico de OZ, com a bela música Somewhere Over The Rainbow. Desejos de que a fantasia e sonhos se tornem realidade.


Raquel