Algumas músicas entranham de uma forma estranha na gente, e foi a partir desse sentimento que surgiu esse texto. Queria colocar uma de minhas músicas nesse post, mas acho que cada um tem a sua música, aquela que lhe provoca os sentimentos únicos. Peço para que você, antes de ler qualquer coisa, ouça a canção que lhe faz flutuar. Só assim você irá compreender os meus devaneios musicais.

Ao som de algumas músicas meu sangue incita vibrações de uma ternura infinita. Inspiro um ar de compaixão e as ondas da sintonia caminham até meu corpo e eriçam todos os meus pelos. A minha carne se desfalece a partir do arrepio profundo, enraizado em cada nota musical.  Sinto-me fora de eixo, e uma loucura instantânea prevalece em mim. Cada palavra verbalizada em canto dilata minha pupila e deixam meus olhos ausentes no presente. Sou levada por aquelas ondas a cena da canção. Cada pedaço, cor e luz daquele lugar têm um pouco de mim. Sou parte da música e sem perceber sopro alguns acordes puros e singelos. Estou cercada por bolhas semelhantes às de sabão, que são na verdade a materialização dos sentimentos que sinto. Amor, ternura, carinho, paz em cada bolha percorrendo o céu sem pressa e predominando sobre cada espaço. Elas se misturam com todas as notas musicais, e simulam uma orquestra perfeitamente afinada e bela. Toco uma nuvem e volto ao meu estado anterior, sentada em uma poltrona no meu quarto, com as cortinas semi-abertas, um primoroso som musical ao fundo e a face voltada a algumas bolhas de sabão que vejo lá fora.

Raquel