Archive for abril \29\UTC 2010

Ser e amar

.

.

Acho que nunca amei de verdade, mas depois de tudo que eu sonhei, vivi, senti…, entendi que o que eu mais quero é que  tudo ocorra devagarzinho, com desprendimento, para que cada passo ocorra na hora certa e no meu tempo certo. Não quero me corroer em anseios exacerbados ou carências desmedidas, quero apenas me entorpecer de simplicidade e ternura.

Deixo um trecho do livro “A Insustentável Leveza do Ser” de Milan Kundera:

.

“É um amor desinteressado. (…) Nem mesmo amor ela exige. Nunca precisou fazer as perguntas que atormentam os casais humanos: será que ele me ama? Será que gosta mais de mim do que eu dele? Terá gostado de alguém mais do que de mim? Todas essas perguntas que interrogam o amor, o avaliam, o investigam, o examinam, será que não ameaçam destruí-lo no próprio embrião? Se somos incapazes de amar, talvez seja porque desejamos ser amados, quer dizer, queremos alguma coisa do outro (o amor), em vez de chegar a ele sem reivindicações, desejando apenas sua simples presença.”

.

Raquel

I want Something…

Raquel