Em Aruanã encontrei diversas surpresas, natureza, pessoas, arte, sentimentos, liberdade, saudades… Esse texto foi garimpado em uma exposição de fotos do rio Araguaia, e fiquei completamente encantada, assim copiei uma parte do mesmo no caderninho de viagem.

“A lua desenhou-se calma, nesse encontro melancólico que tem sempre esse astro da noite em nossas solidões, despertando no coração vagas saudades e incertas esperanças de um futuro ideal, que nunca realizaremos na Terra e que é, talvez, uma aspiração da nossa alma para a imortalidade.“

Viagem ao rio Araguaia (1863), Couto de Magalhães

Raquel

Anúncios